terça-feira, 12 de agosto de 2008

Aécio Neves anuncia Paulo Brant como novo secretário de Cultura

Notícias
11/08/2008

Paulo Brant é o novo Secretário de Estado de Cultura de Minas Gerais e tem como Secretária-Adjunta de Cultura, Sylvana Pessoa.

O governador Aécio Neves anunciou, nesta segunda-feira (11/08), o nome do economista Paulo Eduardo Rocha Brant como novo secretário de Estado de Cultura. Ele ocupa o lugar da jornalista e produtora cultural Eleonora Santa Rosa, que deixa o cargo depois de três anos à frente da secretaria. Segundo o governador, Paulo Brant, que atualmente ocupa o cargo de diretor superintendente do Banco de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais (BDMG), dará continuidade à política cultural implantada no Estado marcada pela descentralização das ações estaduais e a universalização dos bens culturais.

“Paulo é a partir de hoje o novo secretário de Estado da Cultura e tenho certeza que continuaremos na mesma forma, valorizando o que temos de mais importante que são nossas tradições, nossos valores culturais, nossas referências regionais. A presença dele é uma demonstração, da mesma forma como foi a indicação da secretária Eleonora, do respeito que Minas Gerais e o Governo do Estado tem pela sua área cultural. Será um grande gestor da área da cultura, garantido a aplicação dos recursos, a viabilização dos projetos que estão em andamento”, afirmou o governador.

Mineiro de Diamantina, Paulo Brant, é formado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e em Economia pela PUC-Minas. Irmão do compositor Fernando Brant e do ex-deputado Roberto Brant, foi secretário-adjunto da Secretaria de Estado de Indústria e Comércio de Minas Gerais, presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento e é conselheiro do Museu Clube da Esquina.

“Paulo é um homem que já trabalha conosco no governo desde o início. É economista-chefe do Banco de Desenvolvimento do Estado (BDMG), profundo conhecedor da estrutura organizacional do governo. É um dos líderes desse novo modelo de gestão que está sendo implementado em Minas. E também incorporará os projetos já existentes na área da cultura à sua experiência, ao seu dinamismo, à sua extraordinária relação pessoal, inclusive, e familiar com a área cultural. Portanto, é uma transição, com um perfil talvez um pouco diferente, mas que, na verdade, complementa um pouco a ação que foi feita até aqui”, disse.

Balanço
Durante o anúncio, Aécio Neves agradeceu o empenho da ex-secretária Eleonora Santa Rosa que reorganizou o setor cultural no Estado e possibilitou novos investimentos na área. Até o ano passado, o Governo de Minas investiu mais de R$ 200 milhões pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura, criou o Fundo Estadual de Cultura e diversas ações culturais para incentivar a música, a literatura, artes cênicas e audiovisuais.

“Faço um agradecimento em nome de todo o Estado de Minas Gerais, em especial, àqueles mais ligados à área da cultura pelo extraordinário trabalho desenvolvido pela Eleonora, que possibilitou a Minas Gerais um avanço extraordinário na compreensão do valor da sua cultura e do seu próprio desenvolvimento econômico e social. A secretária liderou um processo revolucionário na área de cultura em Minas Gerais e, portanto, fica aqui esse agradecimento do governador. Reorganizou o setor cultural, encontrou caminhos para que investimentos extremamente expressivos voltassem à área da cultura, o que fez da nossa área cultural uma referência para outros estados da federação”, afirmou.

Emocionada, Eleonora Santa Rosa afirmou que deixou o cargo por motivos pessoais e que se sente com o dever cumprido. Segundo ela, a respeitada política cultural adotada em Minas se tornou referência para todo o país.

“Precisava voltar para projetos pessoais e já havia negociado há um tempo esse meu afastamento, que ocorre sem qualquer ruído, absolutamente dentro da rotina do governo. Meu dever está cumprido. Fizemos uma profunda transformação na estruturação institucional da secretaria, quer na capital, quer no interior. Hoje é uma secretaria robusta, respeitada, estratégica para o governo Uma secretaria que assumiu de fato o peso de ter que trabalhar políticas públicas para 853 municípios do Estado, sem abdicar da presença de Minas no Brasil e no mundo. Foi uma gestão muito profícua, muito exitosa, graças a uma equipe competentíssima, que será mantida integralmente. Minas é uma referência do ponto de vista de políticas públicas e de gestão pública na área da cultura”, disse.

Continuidade
O novo secretário de Cultura, Paulo Brant, afirmou que dará continuidade aos projetos iniciados na gestão de Eleonora Santa Rosa, como a implantação do Centro Cultural Praça da Liberdade, os prêmios de Literatura, Cena Minas e Minas Música, além dos museus da Cachaça e de Percursos do Vale do Jequitinhonha.

“A Secretaria de Cultura, como todos os órgãos desse governo, tem princípios, valores, diretrizes. Então, embarco dentro de um projeto de governo que está em curso. A minha primeira prioridade é exatamente implementar esse projeto que está em curso, com a máxima prudência, cautela, mas com a ousadia que sempre é necessária. E a realidade é dinâmica. À medida em que as coisas forem andando, novas ações vão sendo demandadas”, afirmou.

Foto: Wellington Pedro/Imprensa MG
Fonte: http://www.cultura.mg.gov.br/

Um comentário:

malu disse...

Mas que beleza!